Connect with us

Educação

Os benefícios da aprendizagem on-line

Embora existam todos os tipos de benefícios associados ao aprendizado e à promoção de suas metas educacionais, há ainda mais benefícios para aqueles que desejam buscar o aprendizado on-line para atingir essas metas. Espero que você descubra que muitos desses benefícios são bastante esclarecedores e considere cuidadosamente se o aprendizado on-line para suas necessidades de ensino médio estará de acordo com seus interesses. 

1) Conveniência. Esta é uma palavra com a qual estamos bastante familiarizados. Justo junto com a gratificação instantânea. Somos uma sociedade de pessoas que viveram com a movimentação através de bancos e fast food e estão se movendo rapidamente na direção de dirigir através de farmácias e limpeza a seco. Vivemos em um mundo de ritmo acelerado e quando podemos trabalhar a educação em nossas agendas lotadas e em nossos próprios termos, descobrimos que isso é algo que costumamos gostar muito. Eu recomendo que você assista a um número cada vez maior de aulas on-line e alunos on-line nos próximos anos, à medida que mais e mais profissionais decidam aprofundar seus cursos e suas carreiras. 

2) Flexibilidade. Você pode fazer essas aulas ou fazer o trabalho durante a sua pausa para o almoço, enquanto as crianças estão praticando futebol, ou enquanto cozinham o jantar (dependendo do curso de quão bem você multitarefa). Você não precisa estar na sala de aula todas as noites às 18:00 nos próximos cinco anos para obter o mesmo grau de instrução. Isso não significa que você não terá que fazer o trabalho. O trabalho não mudará nem o fato de você ter um tempo limitado para concluir o trabalho. O que vai mudar é que você terá a opção de fazer o trabalho de manhã, à tarde ou depois dessas 2 horas da manhã, quando não consegue voltar a dormir. 

3) localização. Não há o suficiente que possa realmente ser dito sobre isso. A educação on-line chega até você, onde quer que você esteja, para se conectar à Internet. Se você está em casa, no trabalho ou em seu cibercafé favorito

 

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Japão dificilmente introduzirá início do ano letivo em setembro

Tóquio – Apesar dos pedidos de reforma, é improvável que o Japão mude o início do ano acadêmico de abril para setembro, informou a mídia japonesa. Segundo os defensores, isso ajudaria a internacionalizar o sistema educacional do país.

As escolas fecharam no Japão em março por causa do surto de coronavírus, alimentando a preocupação do ano acadêmico mais curto e reacendendo o debate sobre o início em setembro, como ocorre em muitos países ocidentais.

Políticos, como a governadora de Tóquio, Yuriko Koike, apoiaram as reformas e o Partido Liberal Democrático (LDP) criou um painel para analisar as opções.

O primeiro-ministro Shinzo Abe suspendeu na segunda-feira um estado de emergência em Tóquio e em outras quatro províncias, as últimas regiões do país que estavam sujeitas às restrições. Com isso, muitas escolas já estão gradualmente voltando às aulas.

O jornal Asahi citou Masahiko Shibayama, ex-ministro da Educação que liderava o grupo de trabalho do LDP. “A maioria dos legisladores sentiu que desta vez, a introdução de um sistema para atrasar o início do ano letivo para setembro não era uma boa ideia”, disse ele à publicação.

A emissora pública NHK também disse que a opinião estava se espalhando no ministério da educação de que a introdução precoce de um novo ano escolar seria difícil.

Os advogados disseram que o início de setembro tornaria mais fácil para os estudantes japoneses estudarem no exterior. Os críticos citaram numerosos obstáculos e disseram que o foco deveria estar em ajudar os alunos a acompanhar o aprendizado on-line e outras etapas.

Continue Reading

Educação

Escolas Brasileiras No Japão

A maioria das instituições brasileiras de ensino que funcionam no Japão são homologadas e reconhecidas pelo Governo Brasileiro, podendo assim, os alunos, seguirem os estudos ao voltarem para o Brasil,e  os aprovados no Ensino Médio poderão prestar vestibular para ingresso em universidades brasileiras.

No início do movimento dekaseki, muitos brasileiros vieram para o Japão para ficar pouco tempo e retornar para o Brasil, porém com o passar dos anos a realidade da comunidade mudou e passou de dekaseki para imigrante, ou seja muitos não mais retornarão ao Brasil. Porém muitos brasileirinhos que sempre estudaram em escolas brasileiras e agora já se encontram no Ensino Médio, ficam sem uma expectativa de vida, achando que só lhes resta as linhas de produção das empresas japonesas.

A pedido dos representantes da comunidade, o Ministério da Educação, Cultura, Esportes, Ciência e Tecnologia japonês reconheceu que o ensino desses colégios “equivale ao ensino ministrado pelas escolas estrangeiras, correspondente ao ensino colegial no Japão”. Na prática, essa decisão do governo japonês significa o reconhecimento legal das referidas instituições como integrantes do sistema educacional japonês, na qualidade de escolas estrangeiras. Isso significa, também, que os estudantes formados nessas instituições podem prestar exames para entrada nas universidades japonesas.

Uma das vantagens de uma instituição brasileira ser reconhecida no Japão, é que os alunos do EM passam a ter direito ao “sistema de subsídio de admissão escolar para ensino médio e similares”, mas somente as escolas registradas como vocacionais (kakushu gakkoo) podem receber a verba. O governo passou a dar ajuda financeira aos alunos do ensino médio, como forma de incentivo para que eles prossigam os estudos nas universidades do Japão. Porém não são todas as escola brasileiras que são reconhecidas pelo Governo Japonês, o que impossibilita os pais dos alunos a receberem tal benefício.

Algumas escolas brasileiras ensinam a língua japonesa em nível avançado, preparam o aluno que esse possa ingressar em uma universidade japonesa, fazendo intercâmbios com universidades japonesas, levando para conhecer escolas técnicas, ao mesmo tempo que mostra a cultura brasileira aos japoneses, como é o caso da Escola Mundo de Alegria de Hamamatsu.

Mas infelizmente as aulas de japonês básico, ministradas na maioria das escolas brasileiras no Japão, não são suficientes para que o aluno ingresse em uma universidade japonesa, inclusive especialistas criticam, dizendo que o Governo deveria avaliar o nível de ensino, e não simplesmente o fato da instituição ser reconhecida ou não.

Enquanto os Governos não tomam uma providência, é necessário que o aluno estude por conta própria para o teste de proficiência de língua japonesa (JLPT), teste de proficiência de língua inglesa (TOEIC), faça o exame de conhecimento referente ao Ensino Médio no Japão. Inclusive dependendo da área escolhida, saber falar outro idioma, como o português e um pouco do espanhol, além do japonês e ou inglês, já é um ponto positivo.

Muitos jovens desconhecem a possibilidade de continuar os estudos no Japão, e por sempre terem estudado em uma instituição brasileira e não enxergarem um futuro além das fábricas japonesas, acabam desmotivados nos últimos anos do colégio. Mas indiferente de nunca ter estudado em um colégio japonês, é possível sim, ingressar em uma universidade japonesa ou mesmo no exterior, mas força de vontade, esforço e apoio (principalmente financeiro) dos pais é muito importante para que isso se realize.

Continue Reading

Educação

Curso Presencial de Forex para Iniciantes no Bunka de Toyota Aichi ken

Entrevista sobre Forex com a professora Amanda Honda dos Investidores Online

INFORMAÇÕES GERAIS

DATA: Dias 21 e 22 de Setembro HORÁRIO: Das 10:00 às 18:00LOCAL: Bunka de Toyota Aichi ken.Sala B

Mais informações: www.investidores.online

Continue Reading

Copyright © 2019 Japão Digital