Connect with us

Ciência

Japão permite estudos híbridos entre humanos e animais.

A autorização concedida pelo Japão é alvo de críticas. Especialistas dizem que a pesquisa pode ter consequências inesperadas.

O Japão aprovou este experimento de embriões híbridos de humanos e animais para a criação de órgãos, se tornando assim o primeiro país a consentir o nascimento de híbridos.

Especialistas do Ministério da Ciência do Japão aprovaram a proposta de um experimento nesta direção apresentada pelo pesquisador Hiromitsu Nakauchi, da Universidade de Tóquio.

Nakauchi pretende cultivar células-tronco humanas em embriões de camundongos, ratos e porcos e depois transplantar esse embrião em outro animal. Com a técnica, o pesquisador espera eventualmente desenvolver órgãos humanos completos que podem ser usados em transplantes.

Pesquisas envolvendo o cultivo de células humanas em embriões de animais têm sido realizadas em vários países, como os Estados Unidos. No entanto, nenhum desses embriões chegou a se desenvolver até o nascimento.

A autorização concedida pelo Japão é alvo de críticas. Especialistas em bioética dizem que a pesquisa pode ter consequências inesperadas se algumas células humanas forem transferidas para o cérebro de um animal.

Em 2017, o pesquisador conseguiu curar um rato diabético ao desenvolver um pâncreas saudável em um embrião de rato e depois transplantá-lo para o rato doente.

Camundongos, ratos e porcos não são os melhores hospedeiros para o desenvolvimento de órgãos humanos devido à grande distância genética entre as espécies.

O geneticista Nakauchi, porém, espera que sua pesquisa contribua para que a ciência entenda melhor essa questão, além de determinar o que limita o desenvolvimento de células humanas em animais.

O sinal verde ao projeto já foi dado. Mas provavelmente só em agosto um grupo de especialistas do Ministério da Ciência do Japão deve decidir quais experimentos em detalhes serão aprovados.


Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cidades

Centros de teste de coronavírus serão perto de aeroportos

As instalações, destinadas principalmente para testar pessoas que entram no país, devem ser construídas perto dos aeroportos de Haneda, Narita e Kansai.

As instalações, destinadas principalmente a testar pessoas que entram no país, devem ser construídas próximas dos aeroportos – Haneda e Narita perto da capital e Kansai na província de Osaka

O governo ainda precisa decidir se usará estas instalações para testar pessoas no Japão que podem precisar de evidência que elas não têm o vírus para viajar ao exterior.

Fonte: Portal Mie

Continue Reading

Cidades

PNUD lança Desafio Detecção e Proteção da COVID 19, prêmio de 25 mil dólares

PNUD, Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, internacionalmente conhecido como UNDP, lançou o Desafio Detecção e Proteção da COVID 19, que premiará iniciativas na área da pandemia com o valor de 25 mil dólares, cerca de 125 mil reais.

De acordo com o site do Desafio, acessado pela ABCR, serão selecionadas 10 iniciativas, e as três prioridades são: ferramentas de baixo custo e replicáveis de identificação do coronavírus; o achatamento da curva de infecção; redução do impacto econômico em áreas vulneráveis.

Propostas podem ser enviadas até o dia 30 de junho, porém recomendamos fortemente enviar até dia 29, em razão do fuso horário. Todas as informações estão disponíveis aqui.

Continue Reading

Ciência

Coronavírus: luz UV desenvolvida por empresa japonesa enfraquece em 99,9%

A Universidade de Miyazaki e a empresa Nikkiso disseram na quarta-feira (27) que seu experimento mostrou que um LED ultravioleta profundo desenvolvido pela empresa é eficaz no enfraquecimento do novo coronavírus, reduzindo sua capacidade de infecção em mais de 99,9%.

As “Deep UV-LEDs” têm poucos efeitos nocivos sobre o corpo humano ou ao ambiente, de acordo com a Nikkiso. A ultravioleta profunda também provou ser eficaz contra alérgenos, e a empresa sediada em Tóquio a usou em seu purificador de ar Aeoropure.

O experimento envolveu projetar os diodos emissores de luz por 30 segundos em uma cultura de líquido do vírus.

Após deixá-lo em repouso por 3 dias, a equipe descobriu que a capacidade de infecção do vírus caiu em mais de 99,9%, disse a universidade, acrescentando que os LEDs seriam úteis em prevenir infecções em massa em hospitais.

“Junto com o ato de lavar as mãos e usar vestimentas de proteção, devemos combinar vários itens para restaurar a vida normal. Espero que isso ajude”, disse Hiroko Inagaki, professora assistente na Faculdade de Medicina da universidade.

Continue Reading

Copyright © 2019 Japão Digital