Connect with us

Business

Desemprego se mantém baixo no Japão, mas oculta desigualdades

O desemprego não explodiu no Japão com a pandemia de coronavírus, como ocorreu em outros países, mas essa resistência aparente se deve mais a um problema crônico de falta de mão de obra e oculta profundas desigualdades entre os trabalhadores.

A taxa de desemprego no Japão foi de 2,9% em maio, após atingir 2,6% em abril, segundo dados oficiais divulgados nesta terça-feira (30). Houve uma perda significativa de empregos nos setores mais afetados pelas regras de distanciamento físico: hotelaria e restaurantes, lazer e entretenimento e comércio.

No entanto, os economistas não esperam que o desemprego dispare rapidamente nos próximos meses e antecipam uma taxa de cerca de 4% no final de 2020. As razões são principalmente demográficas: o arquipélago sofre com a escassez de mão de obra devido ao forte envelhecimento de sua população, já que 28% da população japonesa tem 65 anos ou mais.

A diferença entre oferta e demanda diminuiu acentuadamente em maio em relação a abril, mas permanece positiva, à taxa de 120 ofertas de emprego para cada 100 candidatos. As empresas japonesas tendem a não despedir, porque, se o fizerem, poderão ter problemas para recrutar após o término da crise, estima Munehisa Tamura, economista do instituto de pesquisa Daiwa.

Desemprego técnico

Segundo a legislação, “as empresas não podem despedir facilmente em caso de deterioração temporária de suas condições de mercado”, o que significa que o desemprego não dispara, “mesmo durante um choque econômico”, acrescentou Tamura, consultado pela AFP.

Outro fator que impede o aumento do desemprego é que a força de trabalho diminuiu desde abril, mês em que 1 milhão de pessoas deixaram o mercado de trabalho, principalmente mulheres que precisam cuidar da família.

O governo lançou planos gigantescos para apoiar a economia, que incluem subsídios às empresas para preservar seus empregos e pagar salários.

Mas a forte dualidade do mercado de trabalho japonês, entre seus empregos permanentes bem protegidos e seus quase 40% dos empregos “irregulares” (contratos temporários, de meio período, interinos…) com estatutos muitas vezes precários, é exacerbada com a crise.

Cerca de 4,2 milhões de assalariados, ou cerca de 6% da população ativa, estavam em desemprego técnico em maio. Um em cada dois era um empregado “irregular”.

Essas pessoas permanecem ligadas ao empregador e, portanto, não aparecem nos números do desemprego, mas algumas recebem menos do que o mínimo legal de 60% de seu salário, ou mesmo nada.

“Eles me pediram para ficar em casa, usando minhas férias pagas”, diz à AFP um funcionário de um grupo de restaurantes de Tóquio, que não quis revelar sua identidade. Ele está em desemprego técnico desde o final de março. Mas seus dias de férias rapidamente se esgotaram: desde abril “não me pagam nada”, lamenta.

Fonte: Fiems

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Business

Trabalhadores no Japão buscam a área de agricultura

Uma empresa de RH sediada em Tóquio disse que a pandemia de coronavírus levou mais pessoas no Japão a buscarem trabalhos na área da agricultura.

A Mynavi Corporation lançou um app de procura de emprego em 2019 para aqueles buscando trabalho para mexer na terra. O objetivo era conectá-los a companhias agrícolas que enfrentavam escassez de mão de obra com o declínio da população rural.

Segundo a companhia, cerca de 13 mil pessoas haviam se cadastrado através do app desde o fim de janeiro, um aumento de 10 vezes ano a ano.

A Mynavi disse que pessoas na faixa dos 20 a 30 anos contaram por cerca da metade dos que buscam emprego.

A empresa cita os efeitos da pandemia como razões para o aumento. Essas incluem salários em queda, assim como maior âmbito em onde trabalhar, visto que mais companhias encorajam o teletrabalho.

Fonte: NHK

Continue Reading

Business

Falências relacionadas à pandemia chegam a 1,3 mil

De acordo com uma empresa de pesquisa de crédito, mais de 1,3 mil empresas no Japão faliram desde fevereiro do ano passado devido à pandemia de coronavírus.

Segundo a Teikoku Databank, o cálculo foi de 1.301 desde a segunda-feira (12) e isso incluiu companhias que declararam falência ou suspenderam operações para iniciar processos de liquidação.

Bares e restaurantes ficaram no topo da lista de indústrias com 218 casos, seguidos por empresas de construção com 117 e hotéis e pousadas com 87.

O número vem aumentando desde a terceira onda de casos no fim do ano passado. Em março houve o maior número de falências, a 172, seguido por fevereiro com 134 e janeiro 125.

A Teikoku Databank disse que um crescente número de empresas optou por declarar falência porque elas não tinham perspectivas de recuperar os negócios. Muitas disseram que não podiam mais continuar dependendo apenas de assistência pública.

Fonte: NHK

Continue Reading

Business

FMI: economia do Japão pode resistir à mudança de planos na Olimpíada

Cancelar ou adiar os Jogos Olímpicos de Tóquio provavelmente não afetará muito a economia do Japão, mas pode exigir que o governo ofereça apoio direcionado para pequenas empresas duramente atingidas, disse uma autoridade do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Embora o governo planeje prosseguir conforme o programado, um novo aumento nas infecções por coronavírus e a lenta distribuição de vacinas têm aumentado preocupações sobre o destino da Olimpíada, com início marcado para julho após o adiamento no ano passado.

“Uma mudança nos planos para a Olimpíada teria impacto limitado nas perspectivas gerais de crescimento de curto prazo, dado que o Japão é uma economia grande e diversificada”, disse Odd Per Brekk, vice-diretor do departamento do FMI para a Ásia e o Pacífico.

A maior parte da infraestrutura necessária para os Jogos já está instalada, e o impacto esperado no crescimento decorrente da dissolução do turismo seria pequeno, acrescentou.

“Dito isso, devemos estar cientes de que o cancelamento dos Jogos Olímpicos teria um impacto desproporcional no setor de serviços em Tóquio, especialmente entre empresas de pequeno e médio porte”, disse à Reuters em entrevista por escrito na terça-feira.

O governo pode precisar oferecer apoio a essas empresas, já que análises baseadas em pesquisa sugerem que o cancelamento das Olimpíadas pode reduzir o crescimento das vendas em mais de 5%, acrescentou.

Fonte: Agência Brasil

Continue Reading