Connect with us

Cidades

Aberturas graduais devem ter abordagens em fases e ser baseadas em dados para controlar novos surtos de COVID-19, afirma OPAS

A diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Carissa F. Etienne, afirmou nesta terça-feira (30) que os países que planejam relaxar as medidas de saúde pública devem adotar uma abordagem em fases, com base nas condições locais, e estar preparados para impor medidas preventivas novamente se a situação epidemiológica mudar.

“A chave é pensar em nível nacional e local e basear as decisões nos dados mais recentes. Quanto mais granular a nossa compreensão de onde o vírus ocorre, mais direcionada será a nossa resposta”, disse Etienne.

“Como estamos vendo, países, estados e cidades que não adotam medidas preventivas ou relaxam restrições muito cedo podem ser inundados com novos casos” – Carissa F. Etienne, diretora da OPAS

“O momento é crítico. Em nível nacional ou local, devemos abrir gradualmente, adotando uma abordagem em fases que se baseie em uma vigilância robusta, dados e capacidade expandida de testes e rastreamento de contatos”, afirmou a diretora da OPAS. De acordo com ela, se a situação mudar e as infecções aumentarem, localidades e países devem ajustar o rumo rapidamente.

Observando que 5,1 milhões de casos e mais de 247 mil mortes devido à COVID-19 foram notificados nas Américas até 29 de junho, Etienne disse que, “para realmente entender o impacto do vírus e planejar com mais eficiência o que vem a seguir, é importante olhar além dos dados regionais e nacionais e focar no nível local”.

A diretora da OPAS disse ainda que a reabertura exige medidas de saúde pública para rastrear novos casos e criar capacidade suficiente para detectar e controlar novos surtos. “A transmissão em uma região deve diminuir de maneira sustentável, as mortes devem diminuir e as taxas de ocupação dos leitos hospitalares devem ser baixas” antes que as restrições sejam relaxadas.

Etienne listou medidas de saúde pública que os governos locais e nacionais devem adotar, incluindo testes oportunos, isolamento de casos para reduzir a transmissão, rastreamento de contatos para encontrar pessoas infectadas e isolá-las, acesso a equipamentos de proteção individual e treinamento para profissionais de saúde e, se necessário, medidas de viagem para limitar novas infecções, como rastreamento, busca de casos, quarentenas e outras medidas.

“Precisamos de testes, mas também precisamos que os resultados sejam relatados rapidamente para criar uma imagem precisa”, disse Etienne. “Qualquer pessoa com sintomas deve ter a orientação e o apoio necessários para reduzir a chance de transmissão para outras pessoas”, acrescentou.

O rastreamento de contatos, quando ancorado em um forte sistema de atenção primária à saúde, “pode ajudar a reduzir o risco de transmissão entre comunidades vulneráveis”, alegou a diretora da OPAS, e o sistema de saúde precisa de leitos hospitalares e unidades de terapia intensiva suficientes para atender casos graves.

A OPAS está trabalhando em estreita colaboração com os países e, “em muitos casos, com governos locais para analisar as tendências que podem ajudar a orientar suas tomadas de decisão”. “A OPAS apoiou os países em todos os aspectos da resposta, fornecendo orientação, treinamento e suprimentos. Nos últimos dois meses, doamos quase 5 milhões de testes de PCR para a região e adquirimos mais de 10 milhões de testes em nome de nossos países. Fizemos 54 remessas de equipamentos de proteção individual (EPIs) para 26 países”, pontuou Etienne.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Business

Conselho permanente de segurança tem Japão como candidato

O ministro das Relações Exteriores, Toshimitsu Motegi, afirmou na terça-feira (22) a disposição do Japão em contribuir para participar do governo global como membro permanente do Conselho de Segurança da ONU, enquanto defendia a reforma do órgão de tomada de decisão de 15 nações do órgão mundial.

Em uma declaração para marcar o 75º aniversário da fundação das Nações Unidas, Motegi pediu que o número de membros permanentes fosse ampliado para tornar o conselho “um órgão efetivo e representativo” que reflita a realidade da comunidade internacional no século 21 .

Expressando a vontade de Tóquio de assumir um papel de liderança no combate a questões urgentes como a pandemia global de coronavírus, Motegi disse: “O Japão está totalmente preparado para cumprir tais responsabilidades como membro permanente do Conselho de Segurança e contribuir para garantir a paz e a estabilidade do mundo”.

Os estados membros da ONU “não podem ser complacentes com o status quo”, disse ele em uma mensagem de vídeo, pedindo “medidas sérias” a serem tomadas para reformar o conselho para a era pós-COVID-19.

Atualmente, o Conselho de Segurança tem cinco membros permanentes – Grã-Bretanha, China, França, Rússia e Estados Unidos – refletindo a estrutura de poder mundial na época da criação das Nações Unidas após a Segunda Guerra Mundial.

Fonte: Reuters

Continue Reading

Alimentação

Empresa desenvolve papel antimicrobiano para ser usado em restaurantes e hospitais

Visto que mais pessoas estão pensando duas vezes antes de tocar em superfícies compartilhadas, de livros a cardápios, a Nippon Paper Industries lançou um novo tipo de papel antimicrobiano para uso em restaurantes e hospitais.

A empresa foi muito prejudicada pela pandemia de coronavírus e sofreu prejuízos de grandes proporções no trimestre abril-junho porque mais pessoas trabalharam de casa e usaram menos papel.

A Nippon Paper espera que seu mais novo produto seja um sucesso de vendas, já que o receio de tocar superfícies compartilhadas aumenta durante a pandemia.

O papel, que começa a ser vendido nesta quinta-feira (10), contém cobre e carrega 99% menos vírus do que o material regular, de acordo com a companhia. Ele também é resistente a odores.

Ela visa comercializar ¥100 milhões (US$942 mil) do produto no primeiro ano, com planos de eventualmente promover as vendas anuais para cerca de ¥500 milhões.

Muitas outras companhias japonesas também estão desenvolvendo produtos antimicrobianos. O produto da Nippon Paper é único porque sua propriedade antimicrobiana é elaborada no papel em si, ao invés de usar substâncias químicas que eliminam germes.

Fonte: Asia Nikkei


Continue Reading

Business

Recessão na economia japonesa

A economia japonesa no trimestre de janeiro a março sofreu retração de 2,2% ante o mesmo período do ano passado, mantendo-se inalterada em relação à leitura preliminar. A leitura revisada contrariou as previsões para o Produto Interno Bruto (PIB) do Japão para o primeiro trimestre. O mercado espera contração de 2,8%, de acordo com uma pesquisa da Reuters.

Em uma base trimestral, o PIB encolheu 0,6%, também inalterado em relação à segunda leitura preliminar e ante uma previsão de queda de 0,7%.

O governo publicou revisões adicionais ao PIB no trimestre de janeiro a março, refletindo os dados revisados de gastos de capital do Ministério das Finanças, que inicialmente atraiu menos entrevistados do que o habitual devido a paralisações relacionadas ao coronavírus.

Fonte: Mundo Nipo

Continue Reading